Confira aqui algumas dicas de como escolher o curso ideal para sua carreira.

Escolher o curso é uma responsabilidade enorme, pois é algo que irá mudar o futuro da pessoa, por isso é preciso pensar bem, analisar todas as possibilidades e claro, contar com a ajuda de quem tem mais experiência de vida. Por isso tantos estudantes sofrem neste momento, ao se depararem com o problema para o qual não estão preparados.

Algumas poucas pessoas, desde cedo já sentem vontade de seguir uma determinada profissão, já sabem o que devem fazer para se realizarem na vida, mas a grande maioria se vê perdida quando precisam escolher o caminho a seguir. Mas algumas dicas podem ajudar o jovem a se decidir neste momento, lembrando que os pais jamais devem pressionar os filhos, querendo que eles façam a faculdade que eles não puderam frequentar. Cada pessoa tem seus anseios, dons, necessidades, por isso esta escolha é única.

Cursos: o primeiro passo é selecionar alguns cursos com o qual se identifica mais. Se o jovem tiver que escolher um curso, a responsabilidade pesa, mas se ele puder selecionar alguns, então fica mais fácil. Analise bem as áreas com as quais se identifica mais e depois, aos poucos, vai fazendo novas seleções, excluindo um curso de cada vez e assim ficará mais fácil escolher quando sobrar apenas três ou dois para se decidir entre eles. Nesta etapa não basta apenas anotar os cursos em uma folha de papel e depois ir riscando um a um, até ver qual irá sobrar. É preciso partir para a parte prática, ou seja, procure se informar ao máximo, analise os prós e contras, converse com pessoas das áreas selecionadas, assim tomará uma decisão mais consciente.

Mercado de Trabalho: o jovem pode não ter grandes responsabilidades hoje, mas futuramente terá e ao escolher o curso ele estará tomando uma decisão que mexe com esta parte, ou seja, como ele estará dentro de alguns anos, então é impossível não analisar a parte financeira, ver se o mercado de trabalho oferece campo de atuação, se na cidade onde mora encontrará espaço ou se será preciso mudar para outro município, ou até mesmo outro estado, é preciso ver tudo isso agora, antes de definir o curso.

Teste vocacional: antigamente era muito popular os testes vocacionais, depois eles acabaram caindo no esquecimento e agora estão voltando a fazer sucesso, justamente pela quantidade enorme de jovens que estão encontrando dificuldade em escolher o caminho que deverão seguir. Entretanto, o jovem não deve se contentar apenas com os testes online, encontrados em vários sites na internet, é sempre bom ter o suporte de um profissional especializado nesta área, para ter certeza que a análise é válida. Algumas escolas já oferecem estes testes aos alunos que estão se formando, mas também é possível fazê-los com psicólogos e o jovem precisa ter em mente que o resultado é uma ajuda, não uma decisão final, a escolha é sempre dele.

Gastos: infelizmente, este momento na vida do jovem é quando ele precisa deixar os sonhos um pouco de lado e ser mais racional. Estudar envolve gastos, é preciso analisar quais as instituições de ensino superior estão oferecendo a graduação que tanto deseja, então é preciso ver as condições financeiras, se a família pode ou não ajudar, pois assim estará evitando perder tempo e dinheiro, tendo que parar futuramente por não ter mais condições de arcar com as despesas.

Local: por fim, é preciso ver onde a faculdade se encontra, se será preciso gastar com transporte público e no caso de ser em outra cidade, até se mudar para lá. Nesta hora é preciso ver também a questão da segurança, pois se o curso é a noite, saber que horas termina, como será o trajeto até chegar em casa, porque tudo isso precisa ser feito antes de definir que curso seguir, para não correr o risco de se arrepender depois.

Por Russel


Confira aqui mais detalhes sobre a possível redução nos valores das mensalidades das faculdades.

Uma tendência que há pelo menos 4 anos, desde 2014, com os rumores de redução do Fies, já davam indícios que mais cedo ou mais tarde as universidades privadas deveriam diminuir o valor das mensalidades dos seus cursos.

E o que já era esperado está se concretizando, conforme divulgado em revistas de grande circulação no país, a informação exclusiva é que o tíquete médio das mensalidades deverá sofrer uma redução dos atuais R$ 750 para R$ 450 por mês.

Fatores que contribuíram para redução

Além do grande número de evasão dos alunos e inadimplência que são reclamações comuns das faculdades em seus cursos presenciais, existem outros fatores que estão contribuindo para que essa diminuição dos valores ocorra.

A redução do financiamento estudantil (FIES) ano após ano e a migração dos alunos da modalidade presencial para modalidades à distância são alguns fatores que impulsionam cada vez mais as faculdades a repensar suas estratégias e rever valores de cursos, inclusive suas mensalidades.

Segundo a consultoria Atmã Educar, esses fatores farão com que as faculdades privadas do país reduzam nos próximos três anos suas mensalidades em até 40% dos valores utilizados atualmente, uma diferença que pode chegar até 300 reais nas parcelas pagas.

Fies promove a queda livre das mensalidades

Há 4 anos, a partir de 2014, o número de novos contratos formalizados pelas universidades privadas para o financiamento estudantil sofreu uma diminuição de 730 mil novos contratos para apenas 300 mil por ano.

Além desta diminuição, o aumento de novos pólos de ensino à distância, cerca de 85% de crescimento no segundo semestre de 2017, graças a uma portaria que foi publicada pelo Ministério da Educação, que abrandou as regras do setor, destravando a modalidade para a criação de novos cursos e com valores mais acessíveis.

Os novos pólos chegam a oferecer mensalidades bem abaixo dos cursos presenciais, alguns cobrando menos que R$ 50 por mês, aumentando a concorrência e desequilíbrio no mercado do ensino.

Ensino à distância oferece vantagens e flexibilidade

O tempo é o principal motivo para que muitos estudantes façam a opção por cursos à distância. Bem como, a flexibilidade de horários e diminuição de custos. Outra vantagem é a oferta dos diplomas com o mesmo peso que um curso presencial e reconhecido pelo MEC (Ministério da Educa/ção).

Algumas pessoas acreditam que o ensino à distância é mais puxado do que os tradicionais. O fator comprometimento e exigência de estudo autodidata também contribuem para esta posição.

A prova real sobre a preferência é a notícia acima, os valores exorbitantes das faculdades presenciais e também pelo crescimento da procura dos últimos anos deste modelo superando o presencial, além disso, a aceitação é inquestionável.

A alta disponibilidade, flexibilidade, custos, certificação reconhecida, ambientes de aprendizagem cada vez mais sofisticados, tutores especializados, possibilidade de trabalhar e estudar ao mesmo tempo de forma bem mais tranquila, ou seja, as vantagens são bem maiores, por isso, a adesão supera as tradicionais.

Uma coisa é certa! As faculdades com os cursos tradicionais terão que se adaptar a tendência com novas estratégias, benefícios e minimizar seus custos ou poderão assistir o declínio e possível extinção de alguns cursos de suas grades presenciais.

Presença em várias cidades do país

A queda livre das mensalidades é rodeada por inúmeros fatores e eles não param de crescer. O acesso era um dos maiores problemas para muitas pessoas, distância e local.

Atualmente com o crescimento do modelo EAD a presença dos pólos à distância está presente em quase todas as cidades brasileiras e são mais de 3100 espalhados para apoio em todo o país.

Os conteúdos e a interação estão sempre disponíveis, 24 horas por dia, 7 dias por semana, o ambiente virtual está disponível para ser acessado a qualquer momento e em qualquer lugar.

Achou interessante este artigo? Compartilhe nas redes sociais com seus amigos ou deixe seu comentário sobre este assunto.

Marcio Ferraz


UFU oferta quase 2 mil vagas em 90 cursos de graduação que ficaram com vagas ociosas no ano de 2017.

A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) abriu processo seletivo para quase duas mil vagas que ficaram ociosas durante o ano de 2017 em 90 cursos de graduação.

Localizada no Triângulo Mineiro, a cidade de Uberlândia – a segunda mais povoada do estado – abriga a UFU que disponibilizou dois editais referentes a processos seletivos de transferência voluntária e de obtenção de novo título para entrada em 2018. A divulgação ocorreu no dia vinte e seis de dezembro e as inscrições começarão na segunda semana de janeiro, com previsão de se encerrarem dia 23 do mesmo mês. O portal para inscrições é www.ingresso.ufu.br e a taxa é no valor de 90 reais.

O edital de transferência é o que tem mais vagas disponíveis: no total são 1.719 distribuídas em 90 cursos. Para concorrer a este processo é necessário ter cumprido todas as atividades curriculares obrigatórias do primeiro ano (ou dos dois primeiros semestres) do curso de origem; já o de obtenção de novo título, exclusivo para quem já é graduado, oferece 273 vagas em 27 cursos. Em ambos os casos, há oferta nos campi de Uberlândia, Patos de Minas, Ituiutaba e Monte Carmelo.

O processo seletivo consiste em uma prova objetiva e redação a ser aplicada no dia 4 de fevereiro de 2018, na parte da manhã (das 8h às 11h) e o resultado está previsto para ser divulgado no dia 23 do mesmo mês. As aulas começarão na primeira semana de março.

Os cursos disponíveis para entrada via transferências são das mais diversas áreas do conhecimento: Administração, Agronomia, Artes Visuais, Biotecnologia, Ciências da Computação, Ciências Biológicas, Engenharia de Produção, Engenharia Mecânica, Ciências Econômicas, Dança, Engenharia Química, Física de Materiais, Design, Enfermagem, Engenharia de Agrimensura e Cartográfica, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Biomédica, Engenharia Aeronáutica, Biomedicina, Engenharia Civil, Engenharia de Alimentos, Medicina, Medicina Veterinária, Engenharia de Computação, Engenharia Florestal, Engenharia Mecatrônica, Física Médica, Fisioterapia, Gestão da Informação, Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações, Ciências Contábeis, Jornalismo, Matemática, Música, Nutrição, Odontologia, Pedagogia, Psicologia, Química, Química Industrial, Relações Internacionais, Engenharia de Agrimensura e Cartográfica, Sistemas de Informação, Teatro, Engenharia Elétrica, Engenharia Ambiental e Zootecnia.

Se você já se formou e deseja ter outra profissão, pode escolher entre os cursos abertos para portadores de diploma superior: Biotecnologia, Ciências Biológicas, Dança, Enfermagem, Engenharia de Alimentos, Engenharia Florestal, Gestão da Informação, Matemática, Engenharia de Agrimensura e Cartográfica, Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações, Música, Pedagogia, Sistemas de Informação e Teatro.

Os cursos com mais vagas são Ciências Econômicas, com cinquenta e três oportunidades pelo edital de transferência, e Música, pelo processo seletivo para portadores de diploma superior, com 25 vagas.

Para participar do processo seletivo de transferência, não precisa ser aluno da UFU, basta que esteja vinculado a qualquer Instituição de Ensino Superior devidamente cadastrada pelo Ministério da Educação (MEC), não deve estar em vias de formatura e deve possuir saldo de integralização suficiente para cursas outra graduação. E outro detalhe: só é possível concorrer a uma vaga, sendo de curso da mesma área do conhecimento. O mesmo não se aplica ao edital para obtenção de novo título – pelo contrário, é proibido concorrer a um curso que o candidato já possua diploma expedido.

Eis sua oportunidade de novas carreiras, novos caminhos e novas perspectivas para o ano novo. Então leia o edital atentamente, não perca os prazos de pagamento da taxa de inscrição e da prova e estude, principalmente se o curso que você pretende tiver apenas uma vaga, como é o caso de Ciências Biológicas, Teatro e Agronomia.

Por Mateus de Faria


Governo pode proibir a criação de novos cursos de medicina por 5 anos.

O atual presidente da república, Michel Temer, vai embargar a abertura de novos cursos de medicina por um período de 5 anos.

É isso mesmo! Para que essa medida seja adotada basta apenas que o presidente assine um decreto autorizando essa ação proposta pelo Ministério da Educação . Desse modo, o documento já está pronto e aguardando pela sua assinatura.

De acordo com informações do jornal Folha de São Paulo, o atual ministro da educação afirmou que o documento já está no interior do gabinete do presidente e, com isso, pode ser assinado a qualquer momento.

Segundo o ministro, a decisão de não criar outros cursos de medicina e assim contribuir para a ruína da educação tem motivos econômicos: isso mesmo! Não há condições financeiras de arcar com despesas para tornar os cursos de medicina como um curso de qualidade. Sendo assim, paralisar o desenvolvimento da Medicina no Brasil é um bem para a população brasileira em geral, pois dessa forma estão salvando inúmeras vidas ao evitar que elas possam ser atendidas por um médico com má formação superior e , assim, morram por pura negligência.

Essa decisão é um tanto contraditória, já que como todos sabem, o Brasil é um dos maiores importadores de profissionais médicos, especialmente de Cuba. Dessa modo, parece que o Brasil carece de mão-de-obra médica, principalmente para prestar serviços em hospitais públicos. Mas ao que parece, nem com esses fatos, que podem ser percebidos por qualquer um o governo, parece se importar tanto com a educação quanto com a saúde pública.

O importante é que a população não se deixe enganar com conversinhas desse tipo, já que todos sabem que no governo brasileiro o que não falta é dinheiro. Dinheiro para ser gasto com Copa do Mundo, Olimpíadas, superfaturamento, propina e tantos os outros tipos de corrupção que nós sabemos que existem com o dinheiro público.

Sendo assim, é a população que sai perdendo, pois se nos dias de hoje já há falta de profissionais atendendo nos hospitais públicos, pode imaginar nos próximos anos? O déficit será ainda maior, pois embora atualmente haja inúmeros médicos formandos-se, é preciso pensar que a população brasileira vai envelhecer e dessa forma, o número de profissionais disponíveis para o número de pacientes vai despencar.

Quanto a preparação nas universidades, isso não é verdadeiramente o problema, uma vez que todos já estão cansados de saber que a grande maioria das universidades federais funcionam de forma precária, isto é, tanto o ensino quanto as instituições são precárias. Mesmo assim, por ano, formam-se inúmeros profissionais de medicina, mas nos próximos anos esse número será constante e não vai suportar a demanda.

Essa medida só serve para comprovar o total descaso de nossos governantes com a educação e a saúde brasileira. Sabe-se que, no Sisu, o curso de Medicina é o mais procurado, ou seja, que carece de maior nota de corte. Sendo assim, com tantos candidatos dispostos a trabalhar e dedicar uma vida à medicina (como já dedicam estudando para a prova do ENEM, que já não é muito fácil), é justo negar a eles a oportunidade de transformar a saúde brasileira para melhor? Pois é isso que já está acontecendo.

E o resultado disso tudo é o agravamento de uma situação que, infelizmente, também já acontece com frequência no Brasil, isto é, inúmeras pessoas que morrem nas filas dos hospitais esperando por atendimento, esperando por consultas com especialistas pois não tem o dinheiro para pagar.

Mas se o governo federal quiser mudar esse cenário, quem sabe não seja necessário, antes, mudar uma série de condutas erradas na política brasileira?

Ana Paula Oliveira Coimbra


Saiba aqui as principais verdades e metiras sobre o curso de Pedagogia.

Se você deseja fazer um curso de Pedagogia, mas ainda está com algumas dúvidas, continue lendo este artigo e saiba um pouco mais sobre a graduação em Pedagogia, que a cada tem aumentado consideravelmente à procura em universidades de todo o país.

Para que serve a graduação em Pedagogia?

Essa graduação veio para substituir os antigos magistério e normal superior, que eram para tornar o aluno apto para atuar como professor na educação infantil e nos primeiros anos do ensino fundamental. Contudo, enquanto os outros cursos paravam por aí, o de Pedagogia permite a atuação profissional em outros departamentos, como na Educação À Distância, como tutor, na Educação de Jovens e Adultos, além de na pesquisa e desenvolvimento de matérias didáticos voltados para a educação.

Além disso, o profissional formado em Pedagogia também pode assumir cargos de gestão como o de diretor, orientador educacional e coordenador de escolas.

O que é preciso para se graduar em Pedagogia. É preciso gostar de crianças?

Não necessariamente, pois um complementa o outro. Mas o princípio real da pedagogia é entender o universo infantil, descobrindo formas de tornar o ensino e a aprendizagem um processo dinâmico e eficiente na vida da criança, compreendendo e respeitando as fases de desenvolvimento humano. Para o profissional que atua na sala de aula é importante sim que ele tenha habilidades que agradem os seus alunos, pois isso faz com que as aulas sejam mais produtivas.

Há muitas vagas para o profissional de pedagogia?

Sim. Considerando o número de instituições de ensino no país, sejam elas da rede pública ou privada, existem muitas oportunidades principalmente para o cargo de professor.

E o salário de um Pedagogo é bom?

Isso vai depender do cargo que ele ocupe. Como é sempre falado, o professor tem um salário muito menor que seu verdadeiro valor. Infelizmente essa profissão é culturalmente desvalorizada no país.

Compensa ser um Pedagogo?

Sim. Se você se interessa pelo desenvolvimento infantil e tudo o que ele envolve e gostaria de se ingressar nessa área, com certeza é uma boa opção. No Brasil, seus governantes e a sociedade como um todo ainda não conseguem dar ao Pedagogo o valor que se deve, porém, o seu trabalho é extremamente importante não só para o ambiente escolar, mas para toda a sociedade.

Sirlene Montes


Confira aqui a lista com os cursos de medicia mais baratos do Brasil.

O curso faz parte do sonho de muitas pessoas. No entanto, são poucas as faculdades que oferecem a graduação com um preço mais acessível.

Cursar Medicina faz parte do sonho de muitos estudantes brasileiros. No entanto, poucos são os que realmente conseguem entrar na Universidade e bancar o curso. Isso porque a graduação é muito cara.

A média de investimento mensal na maioria das faculdades é de R$ 4.700. Isso se deve ao custo que as Universidades têm para manter o curso funcionando, como investimento em laboratórios, professores e materiais para estudos. Entretanto, há faculdades no Brasil com valores mais em conta, e é isso que vamos mostrar a seguir.

A Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, localizada em Salvador (Bahia), é uma das mais baratas. O investimento mensal é de R$ 3.300. Já na faixa dos R$ 4 mil está a Faculdade de Medicina do ABC Paulista, de Santo André. Em seguida vem a Faculdade Presidente Antônio Carlos, de Porto Nacional (Tocantins), com valor de R$ 5 mil. Acima desta mensalidade está o Centro Universitário de João Pessoa, em João Pessoa, na Paraíba, com mensalidade de R$ 5.700.

Além das faculdades com valores mais acessíveis, os estudantes de baixa renda contam com programas do Governo Federal que ajudam a conquistar o sonho de ser médico. Tratam-se de programas como FIES e ProUni.

O Financiamento Estudantil (FIES) é um financiamento que o aluno tem direito a uma quantia por mês para pagar a faculdade. A vantagem é que o investimento passa a ser cobrado ao estudante após um ano e meio que ele tiver concluído a graduação. A outra vantagem é que o FIES possui juros muito baixos, o que dá para o estudante se programar para começar a quitar sua dívida.

Além do Financiamento Estudantil, há o Programa Universidade para Todos (ProUni). Ele é a oportunidade de quem tem poucas condições financeiras para ingressar nas faculdades particulares. O programa oferece bolsas integrais (100%) para candidatos com renda familiar bruta de até um salário mínimo por pessoa e parciais, com 50% de desconto, para quem tem renda bruta mensal de até três salários mínimos.

Para quem pensa em entrar na faculdade de medicina com esses dois programas, é preciso estar atento, pois os processos seletivos para os dois programas acontecem geralmente em janeiro e agora no meio do ano, em junho.

Por Serrana Filetti


Objetivo é realizar mudanças e buscar uma melhora na qualidade dos cursos.

Como resultado de baixas colocações no Conceito Preliminar de Curso, o chamado CPC, pelo menos 917 cursos deverão sofrer medidas cautelares por parte do Ministério da Educação. Tais medidas têm como principal objetivo uma melhor qualidade de ensino e evolução dos cursos com desempenho ruim no CPC. O CPC é uma avaliação realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira e visa analisar a qualidade de ensino de cursos de ensino superior.

Vários parâmetros são levados em consideração neste tipo de avaliação, dentre as quais: formação dos professores, desempenho dos estudantes e estrutura do curso em questão. O principal objetivo desta última edição do CPC foi detectar problemas relacionados a cursos das áreas de Ciências Sociais e Humanas, além de Cursos Tecnológicos, nas áreas de Negócios, Apoio Escolar, Lazer e Produção Cultural.

Os conceitos 1 e 2, em relação a uma escala que vai até 5 (a maior nota), são considerados insatisfatórios pelo CPC. Com isso, todo e qualquer curso de instituições de ensino superior que tenham registrado conceitos baixos serão punidos gravemente. A punição varia desde a suspensão de provas de seleção até mesmo o encerramento do curso em questão.

Os cursos com índices ruins nas avaliações anteriores e que continuaram com conceitos insatisfatórios no último CPC serão divulgados através de uma lista elaborada pelo MEC. Tal lista deve ser divulgada dentro de um mês.

Um detalhe importante é que as penalidades também passarão a ser aplicadas nas instituições que não conseguiram êxito quanto à avaliação no Índice Geral de Curso, o IGC. Esta avaliação é realizada pelo Inep e tem como principal objetivo fazer uma análise da formação na graduação bem como na pós-graduação.

Segundo dados divulgados nesta quarta-feira, 08 de março, no mínimo 312 instituições acabaram com conceitos 1 e 2, desempenhos insatisfatórios, e devem ser punidas.

Além disso, segunda destaca Paulo Barone, Secretário de Educação Superior do MEC, após a divulgação dos resultados é aberto um processo administrativo. Com isso, tanto a instituição como os responsáveis do curso em questão podem apresentar suas respectivas defesas.

Tanto o MEC quanto o Inep já destacaram que os Indicadores de Qualidade de Educação Superior irão passar por mudanças em relação a sua metodologia até o ano de 2018.

Por Bruno Henrique


Saiba aqui como ingressar nos cursos de graduação ofertados pela USP neste anos de 2017.

Nascida a partir da fusão de Escolas Superiores e Faculdades dos mais variados segmentos com a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), a criação da USP contou com nomes de destaque para o fortalecimento da Instituição e sua solidificação, como o político Armando de Salles Oliveira e o jornalista Júlio Mesquita Filho.

A USP, Universidade de São Paulo, se configura hoje como uma das Instituições de maior renome e respeito do Brasil e também de maior importância do país. Posicionada como a 251ª colocada entre as melhores universidades do mundo, segundo o Ranking Mundial de Universidades da Times Higher Education em 2016, a USP continua a ocupar o legado de melhor universidade da América Latina.

Na década de 70 e meados da década de 80, durante a Ditadura Militar, serviu como palco para intensos debates para personalidades políticas de esquerda questionarem uma reforma dos moldes políticos do país, levando, portanto, a professores e alunos essenciais a serem cassados e obrigados a saírem do país. Isso causou um movimento chamado de “esvaziamento intelectual”, pela perda de indivíduos primordiais para a formação de opiniões e também para a programação de suas aulas.

A forma de ingresso na Universidade de São Paulo ocorre através de concurso público realizado pela Fuvest, em regime de vestibular, e através do SISU, pela utilização das notas do ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio.

Dos cursos mais concorridos que se mantiveram exclusivamente aderentes a Fuvest, os mais concorridos são: Medicina, Cursos de Audiovisual e Engenharias. Sobre os que aderiram ao regime SISU, são mais concorridos os de Direito e Relações Internacionais.

Estima-se que a nota de corte para o ingresso na USP pode variar entre 450 e 700 pontos, dependendo da escolha do curso e número de inscritos.

A USP possui também campus espalhados em várias regiões, sendo essas o de São Paulo, São Carlos, Ribeirão Preto, Piracicaba, Bauru, Pirassununga, Lorena, Santos e São Sebastião, divindo-se, então, a partir de polos de graduação e variação de cursos.

É possível encontrar outros cursos como: Ciências dos Alimentos, Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Gerontologia, Astronomia, Ciência da Computação e Informática, Ciências da Natureza, Ciências da Informação e da Documentação, Ciências Sociais, Design, Economia, Editoração, Filosofia, Geografia, entre outros.

Para mais informações sobre a Universidade e mais cursos contemplados, visite o site oficial da USP clicando no nome da instituição em azul.

Yamí de Araújo Couto


Confira aqui os cursos de graduação ofertados pela Universidade Federal do Rio de Janeiro neste ano de 2017.

A UFRJ é considerada por muitos a melhor universidade do Brasil e do Estado do Rio de Janeiro. Esta universidade é sinônimo de qualidade no ensino, pesquisa, professores extremamente capacitados e tradição. Criada em 1920, a universidade, que já passou por diversas fases, caminha para seu aniversário de 100 anos. Este ano, a UFRJ abre vagas para diversos cursos.

Como nos demais anos, a UFRJ continua a oferecer uma vasta gama de cursos, nas mais variadas áreas. A lista completa e atualizada com os cursos de 2017 pode ser encontrada nesse link: https://www.siga.ufrj.br.

Desde 2011, o acesso aos cursos de graduação da UFRJ, assim como muitas outras universidades públicas, se dá exclusivamente pela nota obtida no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e pelo SisU (Sistema de Seleção Unificado). Há também o THE (Teste de Habilidades Específicas), necessário para alguns cursos. Para se informar sobre os cursos que necessitam da prova de THE e as respectivas datas dos testes, é possível acessar o link: http://acessograduacao.ufrj.br.

A UFRJ tem 5 diferentes Campus, nos quais estão distribuídos os cursos de graduação: o Campus Cidade Universitária, que fica no bairro Ilha do Fundão na Ilha do Governador, o Campus Praia Vermelha, que fica no bairro de Botafogo, o Campus Xerém, situado no município de Duque de Caxias, o Campus Macaé e o Campus IFCS/FDN (Instituto de Filosofia e Ciências Sociais), que fica no Centro do Rio de Janeiro. Clicando em cada um desses Campus é possível ter acesso ao seu endereço com mais detalhes. Pelo site do ADM (Centro Acadêmico de Administração) também dá para ter acesso aos cursos de cada campus: http://cadmufrj.blogspot.com.br/.

A UFRJ segue sendo uma universidade de renome, que forma todos os anos milhares de profissionais no ensino superior.

Para mais informações sobre a universidade e o acesso aos cursos de graduação, é possível entrar em contato pelo email acessograduacao@ufrj.br ou pelo telefone +55 (21) 3938-9430. Quem preferir pode ainda ir até o local, que funciona de segunda a sexta-feira e cujo endereço é Av. Athos da Silveira Ramos, 274 – Prédio do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN) – Bloco D – Cidade Universitária – Rio de Janeiro – RJ – CEP.: 21.941-916.

Por Carolina Costa


Confira aqui a lista completa de graduações ofertadas pela Universidade Federal do Paraná neste ano de 2017.

A Universidade Federal do Paraná possui uma longa tradição no setor educacional do Brasil. É a mais antiga universidade em atividade no país. Desde o ano de 1912 a UFPR já figurava como referência na educação de nível superior tanto para o estado do Paraná quanto para o Brasil.

A instituição se tornou o maior símbolo da intelectualidade do Paraná e vem demonstrando sua excelência e importância por meio de seus diversos cursos de graduação, doutorado, mestrado e especialização.

A UFPR é guiada por princípios de indissociabilidade entre o Ensino, as Pesquisas e a Extensão.

A instituição destaca que sua função social é fundamentada nestes três aspectos.

A UFPR, além dos campi localizados em Curitiba, também se encontra presente em regiões do interior e litoral do estado, participando de forma ativa do desenvolvimento sócio econômico da sociedade onde está inserida.

Abaixo você confere os cursos de graduação oferecidos pela UFPR para Curitiba e seus respectivos telefones para contato.

  • Administração: Telefone (41) 3360-4366
  • Agronomia: Telefone (41) 3350-5612
  • Artes Visuais: Telefone (41) 3307-7302 / 3307-7305
  • Arquitetura e Urbanismo: Telefone (41) 3361-3085
  • Biomedicina: Telefone (41) 3361-1744
  • Ciências Biológicas: Telefone (41) 3361-1795
  • Ciências Contábeis: Telefone (41) 3360-4363
  • Ciência da Computação: Telefone (41) 3361-3031 / 3293
  • Ciências Econômicas: Telefone (41) 3360-4356
  • Ciências Sociais: Telefone (41) 3360-5085
  • Comunicação Social: Telefone (41) 3313-2005
  • Design: Telefone (41) 3360-5360
  • Direito: Telefone (41) 3310-2750
  • Educação Física: Telefone (41) 3360-4332
  • Enfermagem: Telefone (41) 3360-7282
  • Engenharia Ambiental: Telefone (41) 3361-3012
  • Engenharia Bioprocessos e Biotecnologia: Telefone (41) 3361-3055
  • Engenharia Cartográfica: Telefone (41) 3361-3038
  • Engenharia Civil: Telefone (41) 3361-3044
  • Engenharia de Produção: Telefone (41) 3361-3035
  • Engenharia Elétrica: Telefone (41) 3361-3229
  • Engenharia Florestal: Telefone (41) 3360-4206
  • Engenharia Industrial Madeireira: Telefone (41) 3360-4306
  • Engenharia Mecânica: Telefone (41) 3361-3131
  • Engenharia Química: Telefone (41) 3361-3057
  • Estatística: Telefone (41) 3361-3025
  • Expressão Gráfica (bacharelado): Telefone (41) 3361-3039
  • Farmácia: Telefone (41) 3360-4099
  • Filosofia: Telefone (41) 3360-5266
  • Física: Telefone (41) 3361-3094
  • Fisioterapia: Telefone (041) 3361-1699
  • Geografia: Telefone (41) 3361-3171
  • Geologia: Telefones (41) 3361-3386 / (41) 3361-3366
  • Gestão da Informação: Telefone (41) 3360-4389
  • História: Telefone (41) 3360-5135
  • Informática Biomédica: Telefone (41) 3361-3572
  • Letras: Telefone (41) 3360-5096
  • Letras Libras: Email letraslibras@ufpr.br
  • Matemática: Telefone (41) 3361-3483
  • Matemática Industrial: Telefone (41) 3361 3041
  • Medicina: Telefone (41) 3360-7239
  • Medicina Veterinária: Telefone (41) 3350-5623
  • Música: Telefone (41) 3307-7301 / 3307-7307
  • Nutrição: Telefone (41) 3360-4056
  • Odontologia: Telefone (41) 3360-4053
  • Pedagogia: Telefone (41) 3360-5206
  • Psicologia: Telefone (41) 3310-2624
  • Química: Telefone (41) 3361-3185
  • Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas: Telefone (41) 3361-4918
  • Tecnologia em Produção Cênica: Telefone (41) 3361-4900
  • Tecnologia em Comunicação Institucional: Telefone (41) 3361-4900
  • Tecnologia em Gestão da Qualidade: Telefone (41) 3361-4900
  • Tecnologia em Gestão Pública: Telefone (41) 3361-4918
  • Tecnologia em Luteria: Telefone (41) 3361-4918
  • Tecnologia em Secretariado Executivo: Telefone (41) 3361-4900
  • Tecnologia em Negócios Imobiliários: Telefone (41) 3361-4900
  • Terapia Ocupacional: Telefone (41) 3361-3746 / 3747
  • Turismo: Telefone (41) 3360-5109
  • Zootecnia: Telefone (41) 3350-5769

Ingresso nos Cursos

Os candidatos interessados em ingressar em algum desses cursos devem acessar o site www.ufpr.br/portalufpr/curitiba e depois entrar na página correspondente ao curso de interesse. No sítio a todos os detalhes sobre as datas dos processos de seleção e dos requisitos necessário para o ingresso nos mesmos.

A Universidade Federal do Paraná se encontra situada na Rua XV de Novembro. 1299. Centro. Curitiba.

Contato (41) 3360-5000

Por Denisson Soares


10 cursos de ensino superior brasileiros estão entre os 50 melhores cursos superiores do mundo.

Fazer uma faculdade de qualidade é o objetivo de muitos brasileiros. No Brasil há diversas faculdades, públicas e privadas, que oferecem uma grande gama de cursos, o que traz dúvidas para muitas pessoas na hora de decidir qual irão cursar.

Um estudo feito por uma empresa britânica chamada Quacquarelli Symonds, indicou que dez cursos de ensino superior brasileiros estão entre os melhores cursos superiores do mundo.

Os critérios de avaliação contaram com a análise de 28,5 milhões de trabalhos científicos, mais a consulta de 76.798 acadêmicos e 44.426 empregadores.

Dessa forma, foi possível a elaboração de uma lista em que constam os 50 melhores cursos superiores do mundo e dez deles são brasileiros.

As faculdades brasileiras que aparecem nessa lista são a USP, a UNICAMP e a UNESP, com cursos nas áreas de humanas, exatas da saúde. Seis cursos da USP aparecem na lista, sendo eles: Odontologia (no 9º lugar), Agronomia (no 26º lugar), Antropologia (no 34º lugar), Engenharia de Minas (no 36º lugar), Arquitetura (no 37º lugar) e Veterinária (no 38º lugar).

Os cursos da UNESP que constam na lista são: Odontologia (no 20º lugar) e Veterinária (no 46º lugar). A UNICAMP representou o país com o curso de Agronomia (no 31º lugar).

Em 2016, além desses cursos superiores brasileiros que estão entre os 50 melhores do mundo, 20 universidades do Brasil também constam no estudo, com 196 cursos citados entre os 200 melhores de suas respectivas áreas.

Com toda essa representação, o Brasil é o país com universidades mais citadas em toda a América Latina, sendo o Chile o segundo lugar.

Se você pretende prestar o vestibular e tem dúvidas sobre qual curso escolher, pode conferir os melhores cursos superiores do mundo presentes no Brasil, dessa forma decidindo de gostaria de cursar algum deles.

Não se esqueça de observar a grade curricular e qual as opções disponíveis no mercado de trabalho para o curso escolhido, sendo que também é possível seguir carreira acadêmica.

Além disso, as universidades públicas oferecem diversos auxílios para que estudantes que vieram de longe consigam se manter no curso, evitando desistências por problemas relacionados com renda e/ou moradia.

Por Isabela Palazzo





CONTINUE NAVEGANDO: