O vestibular da USP 2018 oferta mais de 8 mil vagas em mais de 100 graduações. Saiba como se inscrever.

Um dos maiores processos seletivos que acontecem no Brasil está com as inscrições abertas, se trata do Vestibular da Universidade de São Paulo, a USP, a seleção de novos alunos para a instituição de ensino superior é realizada pela Fundação Universitária para o Vestibular, a FUVEST. Com milhares de escritos todos os anos, são oferecidos oportunidades para mais de 100 cursos superiores.

Para saber mais informações da edição de 2018, leia todas as informações dispostas logo abaixo.

Realizando processos seletivos há mais de 40 anos, a FUVEST é responsável pelos vestibulares das instituições de ensino superior da cidade de São Paulo, que são instituições públicas e uma delas é a USP.

Para a edição de 2018, estão sendo ofertadas mais de 8.000 vagas em mais de 100 graduações, sendo vagas oferecidas nas áreas de humanas, de tecnologia, de exatas, biológicas, dentre outras. Além de mais de 2.000 vagas que serão oferecidas através do Sistema de Seleção Única, o Sisu, para essa modalidade o estudante precisa ter realizado a prova do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, em 2016, com resultados satisfatórios, ou seja, notas altas, pois, o peso para a USP é elevado.

Confira agora o número de vagas oferecidas os curso e também os locais onde eles são ofertados:

– Química (Bacharelado) – São Carlos. Vagas: 48.

– Química (Licenciatura) – Ribeirão Preto. Vagas 28.

– Química (Bacharelado e Licenciatura) – São Paulo. Vagas 84.

– Oceanografia (Bacharelado) – São Paulo. Vagas: 28.

– Química (Bacharelado) – Ribeirão Preto. Vagas 42.

– Matemática Aplicada (Bacharelado) – Ribeirão Preto. Vagas: 32

– Matemática/ Física (Licenciatura) – São Paulo. Vagas: 208.

– Geociências e Educação Ambiental (Licenciatura) – São Paulo. Vagas: 28.

– Ciências Exatas (Licenciatura) São Carlos. . Vagas: 35.

– Sistemas de Informação (Bacharelado) – São Carlos. Vagas: 35.

– Geologia – São Paulo. Vagas: 35.

– Informática Biomédica (Bacharelado) – Ribeirão Preto. Vagas: 28.

– Física Médica (Bacharelado) – Ribeirão Preto. Vagas: 28.

– Física / Física Computacional / Meteorologia / Geofísica / Astronomia / Estatística / Matemática / Matemática Aplicada (Bacharelado) – São Paulo. Vagas: 447.

– Engenharia (Mecânica, Produção e Mecatrônica) – São Carlos. Vagas: 135.

– Engenharia na Escola Politécnica (Ambiental, Civil, Computação, Materiais e Engenharia Metalúrgica, Minas, Petróleo, Produção, Elétrica, Mecânica, Mecatrônica, Naval e Química). Vagas: 783.

– Engenharia Química – Lorena. Vagas: 120.

– Engenharia Elétrica e de Computação – São Carlos. Vagas: 130.

– Engenharia Física – Lorena. Vagas: 30.

– Engenharia de Produção – Lorena. Vagas: 34.

– Engenharia de Materiais e Manufatura – São Carlos. Vagas: 40.

– Engenharia de Biossistemas – Pirassununga. Vagas: 42.

– Engenharia de Materiais – Lorena. Vagas: 30.

– Engenharia de Alimentos – Pirassununga. Vagas: 68.

– Engenharia Civil – São Carlos. Vagas: 60.

– Engenharia Ambiental – Lorena. Vagas: 32.

– Engenharia Bioquímica – Lorena. Vagas: 30.

– Engenharia Ambiental – São Carlos. Vagas: 30.

– Engenharia Aeronáutica – São Carlos. Vagas: 36

– Computação (Bacharelado) – São Paulo. Vagas: 250.

– Ciências Físicas e Biomoleculares (Bacharelado) – São Carlos. Vagas: 28.

– Ciências da Natureza (Licenciatura). Vagas: 42.

– Zootecnia – Pirassununga. Vagas: 28.

– Terapia Ocupacional – Ribeirão Preto. Vagas: 16.

– Psicologia (Bacharelado) – Ribeirão Preto. Vagas: 28.

– Saúde Pública (Bacharelado) – São Paulo. Vagas: 28.

– Terapia Ocupacional – São Paulo. Vagas: 22.

– Odontologia – Bauru. Vagas: 35.

– Odontologia – São Paulo. Vagas: 113.

– Odontologia – Ribeirão Preto. Vagas: 56.

– Obstetrícia – São Paulo. Vagas: 42.

– Nutrição – São Paulo: Vagas: 56.

– Nutrição e Metabolismo – Ribeirão Preto. Vagas: 24.

– Medicina Veterinária – Pirassununga. Vagas: 42.

– Medicina Veterinária – São Paulo. Vagas: 64.

– Medicina – São Paulo. Vagas: 125.

– Medicina – Ribeirão Preto. Vagas: 80.

– Medicina – Bauru. Vagas: 42.

– Gerontologia – São Paulo. Vagas: 42.

– Fonoaudiologia – Ribeirão Preto. Vagas: 24.

– Fonoaudiologia – Bauru. Vagas: 28.

– Fisioterapia – Ribeirão Preto. Vagas: 33;

– Fonoaudiologia – São Paulo. Vagas: 20.

– Fisioterapia – São Paulo. Vagas: 22.

– Farmácia – Bioquímica – Ribeirão Preto. Vagas: 56.

– Engenharia Florestal – Piracicaba. Vagas: 28.

– Farmácia – Bioquímica. Vagas: 120.

– Engenharia Agronômica – Piracicaba. Vagas: 160.

– Enfermagem – Ribeirão Preto. Vagas: 104.

– Educação Física e Saúde – São Paulo. Vagas: 42.

– Educação Física e Esporte – Ribeirão Preto. Vagas: 42.

– Ciências dos Alimentos – Piracicaba. Vagas: 28.

– Educação Física e Esporte – São Paulo. Vagas: 80.

– Ciências Biomédicas – Ribeirão Preto. Vagas: 20.

– Ciências Biomédicas – São Paulo. Vagas: 30.

– Ciências Biológicas – Ribeirão Preto. Vagas: 28.

– Ciências Biológicas – Piracicaba. Vagas: 21.

– Biotecnologia – São Paulo. Vagas: 42.

– Ciências Biológicas – São Paulo. Vagas: 84.

– Ciências Biológicas – São Paulo. Vagas: 21.

– Têxtil e Moda – São Paulo. Vagas: 42.

– Relações Internacionais – São Paulo. Vagas: 42.

– Relações Públicas – São Paulo. Vagas: 35.

– Publicidade e Propaganda – São Paulo. Vagas: 35.

– Pedagogia – Ribeirão Preto. Vagas: 35.

– Música – Ribeirão Preto. Vagas: 30.

– Pedagogia – São Paulo. Vagas: 126.

-Música – São Paulo. Vagas: 50.

– Marketing – São Paulo. Vagas: 84.

– Letras – São Paulo. Vagas: 594.

– Licenciatura em Educomunicação – São Paulo. Vagas: 21.

– Jornalismo – São Paulo. Vagas: 42.

– Lazer e Turismo – São Paulo. Vagas: 84.

– História – São Paulo. Vagas: 189.

– Gestão de Políticas Públicas – São Paulo. Vagas: 84.

– Gestão Ambiental – Piracicaba. Vagas: 32.

– Geografia – São Paulo. Vagas: 119.

– Gestão Ambiental – São Paulo. Vagas: 84.

– Filosofia – São Paulo. Vagas: 119.

– Editoração – São Paulo. Vagas: 10.

– Economia – Piracicaba. Vagas: 35.

– Economia, Administração, Ciências Contábeis e Atuária – São Paulo. Vagas: 413.

– Direito – São Paulo. Vagas: 392.

– Curso Superior do Audiovisual – São Paulo. Vagas: 24.

– Design – São Paulo. Vagas: 24.

– Ciências Sociais – São Paulo. Vagas: 148.

– Ciências da Informação e da Documentação – Ribeirão Preto. Vagas: 28.

– Artes Visuais – São Paulo. Vagas: 30.

– Biblioteconomia – São Paulo. Vagas: 28.

– Artes Cênicas – São Paulo. Vagas: 30.

– Arquitetura – São Carlos. Vagas: 31.

– Arquitetura – São Paulo. Vagas: 105.

– Administração, Ciências Contábeis, Economia, Economia Empresarial e Controladoria – Ribeirão Preto. Vagas: 212.

– Administração – Piracicaba. Vagas: 35.

As inscrições foram iniciadas na segunda-feira, dia 21 de agosto de 2017 e podem ser realizadas até o dia 11 de setembro de 2017. As inscrições só podem ser efetuadas através da internet, pelo seguinte endereço eletrônico: www.fuvest.br. A taxa de inscrição é de R$ 170,00 e deve ser paga até o dia 12 de setembro de 2017.

A prova da primeira fase vai acontecer em 26 de novembro de 2017, e a segunda nos primeiros dias de janeiro (07 e 09 de janeiro de 2018).

Para mais informações, consulte o manual do candidato, que pode ser acessado no seguinte endereço: www.fuvest.br/fuvest-2018-manual-do-candidato-ja-esta-disponivel.

Boa sorte!

Por Isabela Castro


A USP oferecerá cotas em seu vestibular para estudantes de escola pública e para pretos, pardos e indígenas (PPI) em todos os cursos da universidade.

A Universidade de São Paulo (USP), pela primeira vez em sua história, oferecerá cotas em seu vestibular para estudantes de escola pública e para pretos, pardos e indígenas (PPI) em todos os cursos da universidade.

O objetivo é alcançar 50% de calouros que tenham estudado na rede pública até 2021 e, imersos nesse grupo, obter 37% de estudantes PPI. Tal decisão já estará valendo para o próximo vestibular.

Quem aprovou a medida, na última terça-feira, dia 4 de julho, foi o CO (Conselho Universitário), que é o órgão máximo da USP. A instituição irá continuar com a Fuvest, que é a tradicional prova de ingresso e também com a nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) como métodos de entrar no ensino superior.

Cada um dos cursos poderá fazer uma reserva de, no máximo, 30% de suas vagas para que os estudantes ingressem via Enem. A inclusão dos estudantes da rede pública será feita de maneira escalonada.

No ano de 2018, o objetivo é que 37% dos ingressantes em cada faculdade sejam de escolas públicas. Já no ano seguinte, o objetivo é que essa porcentagem seja de 40% em cada curso. Para 2020, a meta é de 45% em todos os cursos e também todas as turmas da instituição. E, por fim, no ano 2021, alcançar a meta de 50% em todos os cursos e turmas. No que se refere ao porcentual de 37% de PPI, sua definição é feita de acordo com a distribuição populacional por raça no Estado de São Paulo, que é medida pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Essa distribuição de cotas será realizada entre Enem e Fuvest, isto é, as metas irão considerar as reservas de vagas feitas na soma das duas formas de ingressas na universidade. Por meio da nota do Enem, o estudante utiliza o Sisu (Sistema de Seleção Unificada), na plataforma do Ministério da Educação que faz a reunião de vagas voltadas para o ensino superior público.

A primeira proposta da reitoria da USP não deixava fixa uma reserva de vagas específica para PPI. Essa questão foi muito criticada por docentes e alunos na reunião do Conselho Universitário.

Depois de anos de pressão tanto dentro e quanto fora da comunidade universitária, a Universidade de São Paulo é a última, entre as estaduais, que aderiu às cotas. A Unicamp fez a aprovação da reserva de vagas em maio de 2017 e a Unesp aprovou em 2013. No que se refere ao ensino superior federal, as cotas são utilizadas desde 2012.

Por Iris Gonçalves


Decisão deve valer a partir do ano de 2018. Objetivo é incluir o estudante que vem de escola pública a Universidade de São Paulo.

Com 100 anos de história, a Universidade de São Paulo (USP) se destaca no ensino em território brasileiro. E pela primeira vez a Faculdade de Medicina da instituição, a FMUSP, estará aplicando a política das cotas raciais com quem ingressar no curso de medicina, que possui o maior prestígio no país.

A adesão do Sistema de Seleção Unificada, o Sisu, que utiliza a nota de cada candidato do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, teve a sua aprovação na última sexta-feira, dia 30 de junho, pela Congregação da faculdade. Uma informação confirmada pelo professor e diretor da FMUSP, José Auler Júnior, ao que tudo indica, em 2018, das 175 vagas ofertadas para o curso de medicina, 50 serão selecionadas por Sisu/Enem.

Sendo assim, desse total, 25 são para candidatos em ampla concorrência, 15 para candidatos que estiveram em rede pública e que se autodeclaram indígenas, pretos e pardos e, por fim, 25 para pessoas que tenham cursado o ensino médio em alguma escola pública.

Já as demais 125 ainda serão oferecidas pela Fuvest, como já vinha acontecendo. A seleção para esses é pelo tradicional vestibular, aplicando uma política progressiva de bônus para quem for estudante de escola pública ou, ainda, que se autodeclaram indígenas, pretos e pardos.

Um momento importante para a história da Faculdade de Medicina da USP, essa política de cotas raciais é uma tentativa de incluir o estudante que vem das escolas públicas dentro do contexto da Universidade de São Paulo. Só em 2017, os calouros que vieram de rede pública atingiu o recorde de 36,9%. A meta é que, em 2018, 50% de todos os calouros venham de rede pública.

Na USP, cada unidade presente na universidade têm a autonomia, desde 2015, de aderir ou não ao Sistema de Seleção Unificada. Já no mesmo ano, 85 de um total de 143 cursos de graduação aderiram parcialmente ao Enem. Os demais 58 mantiveram 100% de vagas para o processo seletivo da Fuvest por vestibular.

Feita a experiência e passado um ano, esse número das vagas que são destinadas ao Sisu aumentou 57%. Nesse mesmo período, o crescimento na quantidade de vagas que eram reservadas para cotas raciais cresceu em torno de 376%.

Considerado, portanto, um passo importante para a democratização do curso de medicina, a Faculdade de Medicina foi um dos últimos a aderir ao Sisu. Sendo uma proposta do Conselho de Graduação, ainda é importante ressaltar que outros cursos da faculdade, como terapia ocupacional, fisioterapia e fonoaudiologia, também participarão com vagas destinadas para a seleção unificada.

Kellen Kunz


Saiba aqui como ingressar nos cursos de graduação ofertados pela USP neste anos de 2017.

Nascida a partir da fusão de Escolas Superiores e Faculdades dos mais variados segmentos com a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), a criação da USP contou com nomes de destaque para o fortalecimento da Instituição e sua solidificação, como o político Armando de Salles Oliveira e o jornalista Júlio Mesquita Filho.

A USP, Universidade de São Paulo, se configura hoje como uma das Instituições de maior renome e respeito do Brasil e também de maior importância do país. Posicionada como a 251ª colocada entre as melhores universidades do mundo, segundo o Ranking Mundial de Universidades da Times Higher Education em 2016, a USP continua a ocupar o legado de melhor universidade da América Latina.

Na década de 70 e meados da década de 80, durante a Ditadura Militar, serviu como palco para intensos debates para personalidades políticas de esquerda questionarem uma reforma dos moldes políticos do país, levando, portanto, a professores e alunos essenciais a serem cassados e obrigados a saírem do país. Isso causou um movimento chamado de “esvaziamento intelectual”, pela perda de indivíduos primordiais para a formação de opiniões e também para a programação de suas aulas.

A forma de ingresso na Universidade de São Paulo ocorre através de concurso público realizado pela Fuvest, em regime de vestibular, e através do SISU, pela utilização das notas do ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio.

Dos cursos mais concorridos que se mantiveram exclusivamente aderentes a Fuvest, os mais concorridos são: Medicina, Cursos de Audiovisual e Engenharias. Sobre os que aderiram ao regime SISU, são mais concorridos os de Direito e Relações Internacionais.

Estima-se que a nota de corte para o ingresso na USP pode variar entre 450 e 700 pontos, dependendo da escolha do curso e número de inscritos.

A USP possui também campus espalhados em várias regiões, sendo essas o de São Paulo, São Carlos, Ribeirão Preto, Piracicaba, Bauru, Pirassununga, Lorena, Santos e São Sebastião, divindo-se, então, a partir de polos de graduação e variação de cursos.

É possível encontrar outros cursos como: Ciências dos Alimentos, Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Gerontologia, Astronomia, Ciência da Computação e Informática, Ciências da Natureza, Ciências da Informação e da Documentação, Ciências Sociais, Design, Economia, Editoração, Filosofia, Geografia, entre outros.

Para mais informações sobre a Universidade e mais cursos contemplados, visite o site oficial da USP clicando no nome da instituição em azul.

Yamí de Araújo Couto


Inscrições poderão ser realizadas entre os dias 11 e 14 de janeiro.

O Sisu consiste no sistema informatizado do Ministério de Educação, em que as Instituições Públicas de ensino superior, como a Universidade de São Paulo (USP), oferecem vagas aos estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Para fazer a matrícula neste primeiro semestre de 2016, é fundamental ter participado do ENEM e não ter tirado zero na redação. Além disso, é necessário informar o número de inscrição e a senha que foi usada no ENEM de 2015.

A USP está oferecendo um total de 11.057 vagas. Deste total, 9.568 são para o resultado do vestibular da FUVEST e o restante de 1.489 para o ingresso na Instituição por meio do Sisu, que vai ser avaliado através do ENEM. As inscrições começam no dia 11 de janeiro e o prazo segue aberto até o dia 14 do mesmo mês.

As inscrições são realizadas somente por meio da internet através do link: sisu.mec.gov.br. O resultado está previsto para ser divulgado no dia 18 de janeiro.

A USP está oferecendo vagas para 105 cursos em várias especialidades. Na unidade da Universidade que está situada na Rua Matão há 9 vagas para o curso de ciências biológicas no turno integral e 9 para a turma da manhã.

No campus de Ribeirão Preto, há 3 vagas para ciências biomédicas, 12 para educação física e esporte, 6 para química, 20 para direito, 8 para enfermagem, 10 para medicina, 3 para nutrição e metabolismo, 10 para pedagogia, 8 para psicologia, entre outros.

No Campus de São Carlos tem 15 vagas para o curso de ciências exatas, 30 para ciências da computação, 12 para estatística, 8 para física computacional, 12 para sistema de informação, entre outras.

Há também vagas na unidade situada no Rio Lago, sendo 85 para o curso de letras, 20 para ciências sociais, 16 para filosofia, 26 para história, 18 para geografia, entre outras. A lista pode ser acessada através deste link: sisu.mec.gov.br/cursos?tipo=ies&valor=55. 

Por Babi


USP está na lista, entre o 51º e 60º lugar. Harvard segue em 1º lugar.

Escolher uma instituição de ensino superior é sempre um desafio. Não só pelo que a Universidade significa e pelo conceito no MEC que ela possui, como também pelas possibilidades de conseguir um bom posto de trabalho posteriormente. É claro que quanto mais conceituado for o centro de ensino melhor para o seu currículo, no entanto, o problema está no custo que isso pode significar.

Deixando a questão econômica de lado, o sonho de todo jovem que tem interesse em alçar altos voos é cursar uma graduação na melhor Universidade que esteja ao seu alcance. Considerando este assunto, foi lançado recentemente o ranking da Time Higher Education, nesta lista constam as 100 Universidades com mais prestígio no mundo. Destas, 43 estão localizadas nos Estados Unidas e somente uma pertence ao nosso País, a USP. Como vem sendo comum nos últimos anos, Harvard ficou com o primeiro lugar no ranking

A supremacia das instituições de ensino norte-americanas vai mais além, das 50 primeiras Universidades na lista, mais da metade pertence aos Estados Unidos, 8 das 10 primeiras colocadas são americanas. Com estes resultados positivos, o país consolida-se como grande polo de graduação com qualidade a nível mundial. 

Conforme foi dito anteriormente, a USP está na lista entre o 51° e 60° lugar, não se sabe ao certo, pois a pesquisa define bem as posições até a 50ª, logo após são divididos em blocos. Se bem que ainda é uma posição bem distante dos primeiros lugares, a USP melhorou bastante, visto que no ano passado encontrava-se entre a 81° e 90° lugar.

Sobre a presença de uma Universidade brasileira na lista, o editor da Times Higher Education, Phil Baty, afirmou que esta instituição tem papel fundamental no desenvolvimento de novos talentos e geração de conhecimento para o País.

O primeiro lugar na lista pertence à Harvard, já o segundo é ocupado pela University of Cambridge localizada no Reino Unido, o terceiro posto está ocupado pela University of Oxford também inglesa.

O quarto lugar pertence ao Massachusetts Institute od Technology (MIT) localizado nos Estados Unidos, o quinto está ocupado pela Stanford University (USA), a sexta posição é da University of California Berkeley dos Estados Unidos.

Na lista feita pela Revista, o sétimo lugar é ocupado pela Princeton University (USA), em oitava posição está a Yale University dos Estados Unidos, em nono lugar está a California Institute of Technology (USA), no décimo posto está a Columbia University (USA).

Por Melina Menezes





CONTINUE NAVEGANDO: