Prorrogação do Sisu altera datas do Prouni e Fies 2019.

Com as datas anteriormente marcadas, tanto o Prouni, quanto o Fies, tiveram os dias da inscrição adiados pelo Ministério da Educação.

Nesta sexta-feira, dia 25 de janeiro, os calendários relativos ao primeiro semestre do ano de 2019, tanto o Prouni (Programa Universidade para Todos), quanto o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), foram adiados, tendo sido essa medida publicada no DOU (Diário Oficial da União).

De acordo com o MEC, a decisão de se adiar as datas, foi em prol de se melhorar o acesso em decorrência do elevado tráfego existente e de garantir o acesso e a inscrição de todos os estudantes e também, pois, os mesmos vinham tendo dificuldades para finalizar a inscrição e realizar alterações nas opções de cursos. Segundo alguns alunos, o sistema demorava para abrir e também, o login da página não estava finalizando de forma correta.

Com isso, o Prouni, que, inicialmente abriria as suas inscrições no dia 29 de janeiro, foi adiado para o dia 31 de janeiro. Já o Fies, que inicialmente tinha a data de 5 de fevereiro para abrir as inscrições, foi adiado para o dia 7 de fevereiro.

PRORROGAÇÃO DO SISU 2019

O MEC informou nessa última quinta-feira, em uma declaração, que o sistema do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) se encontrava sólido e que a vagarosidade que tinha sido registrada, era em decorrência ao grande volume de acessos que estavam acontecendo todos de uma única vez.

Entretanto, em decorrência desses problemas que haviam sidos registrados, houve uma determinação para que se prorrogasse a data das inscrições. Ao invés de se encerrarem no dia 25 de janeiro, de acordo com as regras, o sistema passará a receber as inscrições até o dia 27 de janeiro (domingo), até às 23:59hs.

De acordo com a publicação na íntegra da nota, o Ministério da Educação prorrogou as inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) até às 23:59hs do próximo domingo, 27, com finalidade de garantir o acesso e a inscrição de todos os estudantes.

Segundo o MEC, o sistema vinha funcionando de forma equilibrada na quinta-feira, 24, e a demora eventual que foi registrada veio em resultado do alto volume de acessos. O MEC fez todo o possível para que o sistema continuasse funcionando de forma correta.

Foi informado também, que a partir do dia 24 de janeiro, as notas de corte serão atualizadas à zero hora e não mais, como teria sido informado anteriormente, em quatro horários ao longo do dia (7h, 12h, 17h30 e 20h). Tudo isso estava sendo feito de modo a não prejudicar os estudantes.

Ainda, segundo o Ministério da Educação, na segunda-feira, dia 28, sairá o resultado da seleção. Este foi preservado de acordo com o calendário que havia sido divulgado antes.

PROUNI – NOVAS DATAS

• Início das inscrições: 31 de janeiro

• Término das inscrições: 3 de fevereiro, às 23:59hs

• Primeira chamada: 6 de fevereiro

• Entrega da documentação para assegurar a matrícula: 6 a 14 de fevereiro

• Segunda chamada: 20 de fevereiro

• Entrega da documentação para assegurar a matrícula: 20 a 27 de fevereiro

• Aceitação à lista de espera: 7 e 8 de março

• Resultado da lista de espera: 11 de março

• Entrega da documentação para assegurar a matricula: 12 e 13 de março

FIES – NOVAS DATAS

• Início das inscrições: 7 de fevereiro

• Término das inscrições: 14 de fevereiro, às 23:59hs

• Resultado da pré-seleção do Fies e P-Fies: 25 de fevereiro

• Complementação da inscrição: 26 de fevereiro a 7 de março, às 23:59hs

• Pré-seleção da lista de espera: 27 de fevereiro a 10 de abril, às 23:59hs

• Término da inscrição no FiesSeleção: 28 de fevereiro a 11 de março, às 23:59hs

Texto escrito por Carol Wurlitzer


Saiba aqui quais foram as mudanças que aconteceram no P-FIES 2019.

No ano de 2018, o Ministério da Educação, o MEC, fez o lançamento oficial do seu Novo Financiamento Estudantil (FIES), de forma a dividir o programa em duas modalidades distintas: uma que não possuía qualquer juro, o FIES; e a outra com juros que sofriam variações e eram estabelecidos pelos bancos, chamado de P-FIES.

Na modalidade sem juros, todavia, foram disponibilizadas 210 mil vagas. Porém, menos de 2.500 tiveram o seu preenchimento no ano. Por isso, de forma a aumentar os contratos referentes ao P-FIES no ano de 2019, o ministério optou pela promoção de uma mudança importante nessa modalidade de financiamento. Sendo assim, para a finalidade de classificação, não será mais utilizada a média conquistada no Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, sendo essa somente um requisito. Dessa forma, o sistema somente fará uma pré-seleção de um maior número de candidatos do que de vagas. Feito isso, os primeiros que confirmarem o contrato com a instituição financeira terão direito às oportunidades.

Mais agilidade

Com essa mudança, o MEC pretende dar mais agilidade aos processos, uma vez que em 2018 o aluno passava por uma pré-classificação como segunda ou terceira alternativa no P-FIES, não fechando o contrato porque não podia arcar com o valor dos juros dessa modalidade ou enquanto aguardava a sua convocação para o FIES. Por outro lado, aqueles que tinham no P-FIES a sua única opção, precisavam aguardar a desistência daqueles que tinham melhor classificação.

Alguns problemas comuns enfrentados também por estudantes foi a pré-seleção para o P-FIES na metade do semestre, fazendo com que muitos desistissem do financiamento. Além disso, outro fator foi a desinformação sobre essa nova modalidade, uma vez que os alunos iam ao banco achando que tinham passado pelo FIES e não pagariam juros. Isso ocorreu, pois muitos estudantes não lêem o edital e não acessam o site do FIES.

Por isso, o Governo atenta para a ampla divulgação necessária para a divulgação de tais métodos, lembrando que as próprias faculdades já possuem uma comissão especializada em orientar os alunos sobre o programa.

Inscrições do FIES 2019

Apesar de ainda não terem sido abertas, é importante prestar atenção ao período de inscrições para o FIES 2019/1. Essas ocorrerão entre as datas de 5 e 12 de fevereiro, com a oferta total de 100 mil oportunidades para a modalidade sem juros e um número bem limitado para o P-FIES.

Para participar, serão aceitos estudantes que já tenham concluído a sua formação em nível médio e que tenham realizado a partir do ano de 2010 o Enem. As médias aceitas devem ser acima de 450 pontos e a nota na redação deve ser acima de zero.

O FIES aceita candidatos com uma renda familiar bruta e mensal de, no máximo, três salários mínimos a cada pessoa. Já para o P-FIES essa renda por pessoa pode ser de até cinco salários mínimos.

A divulgação do resultado será realizada somente no dia 18 de fevereiro. Somente para o FIES sem juros, a lista de espera ocorrerá entre os dias 20 de fevereiro e 31 de março de 2019.

Quem busca mais informações sobre o FIES ou P-FIES, pode se informar pelo edital, no endereço eletrônico http://fies.mec.gov.br/.

Dados sobre o FIES

A modalidade de financiamento do FIES caiu e muito nos últimos anos em termos de quantidade de contratos realizados. No ano de 2014, foram fechados 732 mil contratos. Em contrapartida, no ano de 2018, esse número foi para 85 mil. Com isso, é nítida a necessidade de investimento no FIES sem juros, uma vez que esse parte da premissa de ser uma política pública, na contramão do financiamento em bancos que já possuem os créditos universitários.

Kellen Kunz


Confira aqui os principais comentários e onde encontrar o Gabarito do Enem 2018.

No último domingo, dia 04 de novembro, uma grande parte, ou a maioria dos estudantes brasileiros, realizaram a primeira etapa de provas do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem de 2018.

Ao longo do primeiro dia de provas não foram registradas muitas ocorrências, salvo duas pessoas que foram detidas por estarem fazendo uso do ponto eletrônico, no Estado de Minas Gerais.

Outra questão relevante foi a das ausências registradas: em torno de 24,9% dos estudantes inscritos não compareceram aos locais designados para realizar o exame.

O registro indica que 71 dos candidatos terminaram eliminados deste Enem. Dois destes casos foram por conta de um ponto eletrônico na cidade de Montes Claros, Estado de Minas Gerais. A média geral de casos foi de 150 aproximadamente, conforme a nota publicada pelo ministro da Educação.

Outros registros indicam que em dois locais a prova terminou por ser interrompida devido a uma momentânea falta de energia elétrica na cidade Franca, Estado de São Paulo e na cidade de Porto Nacional, no Estado do Tocantins. Estas são as informações essenciais no que toca aos problemas.

Por outro lado, 75,1% dos estudantes inscritos participaram deste Enem. Entretanto, de acordo com a presidente do Inep, este ano de 2018 registrou uma taxa que é a menor na série mais recente do Enem. Ainda assim, o ministro da Educação fez lembrar que esse mesmo percentual é um resultado obtido em um período registrado após as devidas mudanças no edital, que visam evitar as faltas de modo mais preciso.

Em torno de 10,55% dos estudantes candidatos não usufruíram do acesso ao cartão de confirmação, o que resultou na situação em que muitos não tinham como saber os locais onde deveriam realizar as provas.

De acordo com a mesma presidente do Inep, a determinação do tema da redação constituiu algo muito bem colocado pela equipe.

Portanto, o Enem de 2018, em seu primeiro dia de itinerário, não resultou em grandes dificuldades, conforme declaração oficial do ministro da Educação.

Deste modo, passemos a alguns aos detalhes das provas:

O tema da redação versou sobre o tema: 'manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet'.

Um dos melhores comentários lançados sobre a redação do Enem de 2018 pode ser resumido no seguinte:

Dado que o tema deste Enem 2018 foi a chamada “Manipulação do comportamento de usuário pelo controle de dados na internet”, tratou-se, portanto, de discorrer sobre esta prática muito comum em nações como a China e a Rússia. Na produção desta redação, estava em aberto uma série de referências, inclusive uma possível alusão a Edward Snowden, o qual fez vazar as informações importantes sobre como parte do governo dos EUA estava controlando a política internacional por meio do dito monitoramento em cima dos dados na internet. Cada candidato poderia fazer referência ao clássico da literatura contemporânea, 1984, de George Orwell, cuja história narra a vida dos seres humanos sendo monitorada por um poder totalitário projetado por meio de tele telas. Assim, a referida coletânea se referia aos algoritmos e aos filtros em toda a internet, e sobre a utilização da mesma internet como meio de se comunicar com os amigos. Entretanto, esta produção não permitiu tocar no tema do marco civil da Internet e da chamada: Lei da Privacidade, que não contemplaram em suas pautas as novas modalidades de infração citadas, já que o tema não era a chamada fake News.

Os estudantes responderam a noventa questões nas áreas de Linguagens e Códigos e na de Ciências Humanas.

São diversos sites publicando atualizações a cada instante. Aqui estão duas fontes atualizadas sobre as demais informações e o gabarito: G1 e Revista Veja.

Paulo Henrique dos Santos


Mudanças no ENEM só acontecerão a partir de 2019.

Para todos os estudantes que cursam o ensino médio e pretendem fazer o Exame Nacional do Ensino Médio ( ENEM), temos uma ótima notícia para acalmar os ânimos. O Ministro da Educação, Mendonça Filho, anunciou que a reforma do ensino médio de todo o país não vai provocar nenhuma mudança significativa de conteúdo nas duas próximas edições do Enem. A informação foi dada ontem pelo ministro, na entrevista coletiva em Brasília, logo após a cerimônia que sancionou a nova lei.

Mendonça Filho reforça que é inevitável que o Enem não tenha mudanças e será necessária a adequação da realidade do novo ensino no Brasil. Ainda segundo o Ministro, algumas mudanças mais substanciais tanto no formato, quanto em todo o conteúdo, serão feitas a partir de 2019 e até lá, todos os estudantes podem ficar tranquilos.

De acordo com o Ministério da Educação e Cultura (MEC), as escolas brasileiras terão o prazo de dois anos para se adaptarem as novas regras e mudanças feitas no ensino médio no Brasil. O MEC ainda reforça que todas as alterações na mudança do maior exame da rede educacional do Brasil, depende de muitas outras coisas, inclusive do resultado de uma consulta pública, que é bastante complexa e demorada.

A Assessoria de Imprensa do MEC informou, em dezembro passado, que a publicação de todo o conteúdo do edital do Enem 2017 deveria ser publicada em fevereiro. Estima-se que a divulgação do edital seja adiada por motivo da prorrogação do prazo da consulta pública até o dia de hoje, 17. A Medida Provisória (MP) 746 do dia 22 de setembro de 2016 teve aprovação pela Câmara dos Deputados no final de dezembro e teve aprovação no Senado, no dia 8 desse mês. Em suma, a reforma do ensino médio vai aumentar a carga horária escolar de todas as escolas brasileiras, além da implantação de instituições de ensino em período integral, que dividirá o ensino médio em Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e mais cinco áreas exclusivas, que vão permitir que as escolas contratem professores que não possuem diploma em licenciatura para poderem lecionar conteúdo técnico e profissionalizante, além de diversas outras mudanças, como inclusão e exclusão de algumas disciplinas na grade escolar dos alunos.

Rodrigo Souza de Jesus


Confira aqui a lista com as melhores universidades do Brasil no ano de 2016.

Para quem é estudante no Brasil e possui dúvidas em relação à qualidade das universidades brasileiras, as notícias são muito favoráveis. Em uma lista composta pelas melhores faculdades e universidades da América Latiana, realizada pela Times Higher Education (THE), as instituições de ensino superior do Brasil são as que mais se destacam.

A começar pela USP e Unicamp, que encabeçam a lista que traz as 50 melhores e mais conceituadas instituições latino-americanas.

Dentre as 50 listadas pela THE, 23 são brasileiras, 11 são do Chile, 8 do México, 4 da Colômbia, 2 da Venezuela e Costa Rica e Peru possuem uma.

Entre as Melhores universidades brasileiras destacam-se as seguintes (todas as listadas fazem parte da lista da Times Higher Education):

  • 1º) USP: Com ensino nota 92,7;
  • 2º) UNICAMP: Com ensino nota 91,1;
  • 3º) UFRJ (Universidade Federal Rio De Janeiro): Com ensino nota 84,7;
  • 4º) PUC- Rio: Com ensino nota 61,4;
  • 5º) UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais): Com ensino nota 81,9;
  • 6º) Unesp (Universidade Estadual Paulista): Com ensino nota 81;
  • 7º) UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina): Com nota de ensino 73,4;
  • 8º) UFPE (Universidade Federal de Pernambuco): Com nota de ensino 70,9;
  • 9º) UFV (Universidade Federal de Viçosa): Com nota de ensino 70,6;
  • 10º UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro): Com nota de ensino 62,4;

O Brasil é um país que possui um elevado número de universidades, sejam elas do setor público ou privado. Mas nem toda instituição de ensino superior possui a qualidade necessária na formação de novos profissionais, que futuramente ocuparão diversas colocações no mercado de trabalho e na sociedade.

A realização de uma lista de 10 melhores universidades brasileiras é elaborada a partir da consideração e comparação de uma série de fatores, como: proporção do número de professores para alunos, proporção de professores que possuam mestrado e doutorado, reputação no meio acadêmico, número de pesquisas e publicações e relação com índices de empregabilidade. Pois a junção de todos esses fatores é responsável pela excelência e relevância do ensino aplicado.

Muitas vezes algumas empresas empregadoras em vários segmentos levam em consideração a instituição de ensino superior em que se graduou o candidato a uma vaga. Diante disso, a recomendação é que antes de entrar para a universidade, o estudante realize uma pesquisa sobre sua avaliação no meio acadêmico.

Para saber mais sobre universidades e datas de vestibulares, continue acompanhando o nosso site.

Sirlene Montes


Conheça aqui mais sobre o Mediotec – Programa de Ensino Técnico para Estudantes do Ensino Médio.

Nesta terça-feira (20), Mendonça Filho, Ministro da Educação do Brasil, anunciou a criação de dois novos programas direcionados para o ensino médio oferecido pela rede pública. O primeiro é o Mediotec e o segundo o Programa de Fomento à Escola em Tempo Integral. De acordo com as informações divulgadas sobre esses programas, eles devem receber juntos uma cifra de R$ 850 milhões vindos de fundos do Estado. O lançamento dos programas ocorreu em uma cerimônia que aconteceu no Palácio do Planalto. O evento teve ainda a participação do presidente Michel Temer e do governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB).

O Mediotec irá disponibilizar cursos de nível técnico e profissionalizantes para os jovens alunos de ensino médio. A previsão é de que seja possível disponibilizar 82 mil vagas já para os primeiros meses de 2017.

Segundo as informações divulgadas até o momento, o governo deverá fazer um repasse na faixa de R$700 milhões prevista para o início de 2017. De acordo com Mendonça Filho, esses recursos já estão sendo trabalhados pelo MEC.

A ideia principal envolvida no Mediatec é que também e ainda no decorrer da realização do curso técnico os alunos possam fazer estágios em empresas previamente mapeadas.

No caso do programa de escola integral, o que está envolvido é a intenção de que sejam oferecidas 520 mil matrículas. Essas vagas serão disponibilizadas por meio de editais. A previsão é de que o primeiro edital já ofereça 263 mil vagas enquanto que o segundo conte com 257 mil.

Por sua vez, e ainda sobre este ponto, o MEC tem a intenção de efetuar um repasse no total de R$ 1,5 bilhões para este programa. O objetivo é que sejam criadas 500 mil novas oportunidades de tempo integral que deverão ser implementadas pelos estados no decorrer dos próximos anos.

É interessante observar que os governos estaduais precisam aderir ao programa. Entretanto, não é descartado em nenhum caso o foco do programa que, aqui, é concentrado em escolas e regiões que apontem índices muito baixos de desenvolvimento sociodemográfico bem como uma maior vulnerabilidade social.

Mendonça Filho também diz que medidas voltadas para a melhoria do ensino infantil e do fundamental estão sendo previstas para 2017. Neste caso, as prefeituras também seriam solicitadas a participar.

Por Denisson Soares


Confira aqui o gabarito da prova da segunda aplicação do Enem 2016.

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas) divulgou nesta quarta-feira (7) o gabarito da prova do Enem de dezembro, aplicada no último final de semana.

Houve um pequeno contratempo e uma das questões da prova de Ciências da Natureza foi invalidada. A prova foi realizada no sábado (3) e foram utilizadas três tipos de prova: na de cor amarela a questão anulada é a 52; na cor de rosa é a questão 88; na cor azul é 60 e na branca é a 58.

A questão anulada propunha ao candidato analisar quatro gráficos, contudo o Inep entende que, mesmo não havendo erros nos dados, com as escalas apresentadas pode ter ficado um tanto difícil a visão de pontos referentes à concentração de gases. E com isso o candidato poderia ter uma interpretação diferenciada.

De acordo com o comunicado passado pelo Inep, a invalidação da questão não causará nenhum impacto nas notas finais do Enem que se baseia na Teoria de Resposta ao Item (TRI), sendo assim, a pergunta não será levada em conta no cálculo das proficiências.

As provas do Enem foram adiadas em 166 municípios de 23 estados e Distrito Federal, totalizando 273.524 candidatos por causa de ocupação estudantil nos locais de realização das provas, além de mais 4.133 candidatos que foram obrigados a aguardar nova oportunidades por motivos como: falta de energia, falta de controle no horário das provas e até erro na identificação de candidatos. Mas todos puderam realizar novas provas no último sábado (3) e domingo (4).

Abstenção

Nessa segunda aplicação das provas do Enem houve uma abstenção de 39,7%, só no sábado e 41,4%, no domingo. Alguns candidatos contaram que havia salas quase vazias, como é o caso de um município do Pará que esperava 116 candidatos e só apareceram 8, no primeiro dia. Houve ainda casos de apenas 1 candidato fazendo a prova.

Calendário

  • Terceira aplicação das provas do Enem 2016 para Pessoas Privadas da Liberdade (PPL) acontecerá nos dias 13 e 14 de dezembro.
  • As notas finais para todos os candidatos, de acordo com o Inep, serão divulgadas no dia 19 de janeiro de 2017.

Por Ruth Galvão


Confira aqui algumas dicas de preparação para a Prova do ENEM 2016.

Estamos em contagem regressiva para a realização das Provas do Exame Nacional Do Ensino Médio, o Enem, diante disso surgem muitas dúvidas sobre como deve ser feita a preparação para a realização do exame.

Na realidade, neste momento em termos de estudo dos conteúdos não há muito mais a fazer. Supondo que os participantes já vêm se preparando há algum tempo, o recomendado nesse momento é que o ritmo de estudo tenha uma desacelerada. Pois a ansiedade e o nervosismo já não permitem que conceitos, regras e coisas do tipo sejam fixados pela memória nesse pequeno espaço de tempo.

Dessa forma, o que o estudante pode fazer é revisar possíveis temas que podem ser cobrados na elaboração da redação. Pois na maioria das vezes os temas propostos pelo Enem são assuntos que tiveram uma relevância para o Brasil, como a questão da violência contra a mulher, a influência da mídia, publicidade infantil, enfim, assuntos debatidos no cenário nacional.

O estudante pode praticar a redação, fazendo a elaboração do texto com contagem de tempo, para assim se familiarizar com essa situação. Também é recomendado que se faça uma busca por redações nota “1000”, observando características que possam ser utilizadas na hora da prova.

Muitas vezes, por se tratar de um elevado número de questões, é comum a repetição de questões de edições antigas, por isso é válido que o participante realize as provas de outros anos. Além disso, pelo fato de o Enem ser um exame multidisciplinar em que há um diálogo interpretativo das disciplinas, a realização de exames passados pode tornar mais familiar a linguagem que o Enem apresenta.

Na internet também existem boas opções para quem ainda está buscando complementar seus estudos preparatórios para o Enem. Uma opção prática e válida é a visualização de vídeos, pois instituições de ensino, cursinhos e professores disponibilizam este tipo de vídeo para os estudantes que irão realizar as provas do Enem.

Mas o recomendado é que nessa última semana os participantes procurem descansar mais, dormindo mais cedo, sem se sobrecarregar de estudos. Além disso, procure deixar tudo preparado para que o exame seja feito de forma tranquila e que se obtenha bons resultados.

Sirlene Montes


Dados do Censo mostram que número de alunos no ensino superior caiu de 8 para 7,8 milhões de estudantes.

O número de alunos no ensino superior caiu de 8 para 7,8 milhões de estudantes. A queda foi levada pela redução no número de matrículas nas intituições públicas. No cômputo geral da rede pública, houve uma queda de 0,5% em relação ao ano de 2015. Já na rede privada, o registro de matrículas teve acréscimo de 3,5%.

O dados de matrículas e número de estudantes no ensino superior foram divulgados pelo Censo da Educação Superior, realizado pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais).

O aumento no número de matrículas foi impulsionado pelas instituições privadas. No ano de 2015 foram registradas 5,8 milhões de matrículas entre a rede privada e pública. O incremento de matrículas no ano de 2016 foi de apenas 200 mil.

Os dados são alarmantes quando se avalia o percentual de redução em alunos no ensino superior. Comparando-se 2015 com o ano de 2016, houve um decréscimo de 6,1%. Em números absolutos, esse percentual significa 200 mil estudantes a menos no terceiro grau de ensino.

Outro dado que merece atenção é o percentual de concluintes. Nesse quesito, a rede pública também apresenta decréscimo: o recuo é de 0,8% de estudantes que alcançaram o diploma. No caso da rede privada, ocorreu a conclusão de curso para 15,9% a mais de estudantes.

Os números apontam uma tendência de queda na rede pública de ensino superior, bem como elevados graus de evasão. Grande parte dos estudantes conseguem o ingresso nas instituições públicas, no entanto, não concluem a trajetória completa para formação no terceiro grau.

Em entrevista para coletiva de imprensa, o diretor de estatísticas educacionais do Ministério da Educação (MEC), Carlos Eduardo Moreno Sampaio, disse que os percentuais de ingressantes no ensino superior estavam em conformidade com o cenário internacional. Carlos Moreno apontou com preocupação os números de alunos que iniciam os estudos e não acabam, segundo ele, é nesse quesito que a média do Brasil está bem abaixo do esperado.

Os dados direcionam para uma necessidade de reflexão sobre quais motivos que levam os estudantes a abandonar as instituições públicas quando a graduação já está em curso.

Matheus Griebeler


Governo Federal pode lançar Medida Provisória que altera o Ensino Médio no Brasil.

Ao que tudo indica, deve ser anunciado pelo Governo Federal, nessa quinta-feira, dia 22 de setembro de 2016, uma nova Medida Provisória, que acarretará em mudanças no ensino médio em todo o Brasil.

Tratado como uma reestruturação do ensino, de forma que o aluno seja colocado em primeiro lugar, uma das ideias dessa mudança tem ligação com o pensamento e foco voltados para o futuro. Isso porque há uma resolução nova nesse plano: a de que o estudante tenha, além das disciplinas básicas de um currículo, acesso a outras matérias de interesse dele, partindo da concepção de que a grade precisa focar nos cursos superiores e técnicos, como forma de colaborar na formação e escolha de cada um.

O objetivo dessa nova medida e reforma é, principalmente, tornar o ensino médio mais atrativo para quem o está cursando. Atualmente, o nível médio é composto de três anos de estudo, 5 horas diárias de aula e 13 matérias que são obrigatórias. A previsão, portanto, é de que se diminuam as disciplinas, por meio de uma divisão em 4 grupos dessas. Seriam elas: ciências da natureza, ciências humanas, matemática e linguagens.

Sendo assim, conforme o Ministério da Educação, no primeiro ano e na primeira parte do segundo ano, o currículo seria praticamente o mesmo. A partir desse momento, todavia, o aluno já poderia focar e direcionar os seus interesses e prioridades, pensando no que pretende cursar no ensino técnico ou superior. De uma maneira simplificada, portanto, o estudante poderia escolher os assuntos que mais gostaria de aprofundar ou conhecer, de forma a pensar no seu futuro profissional.

A escolha por uma medida provisória foi feita uma vez que, para aprovação da lei pelo Congresso, o processo poderia ser muito demorado. Sendo assim, a ideia é que, já em 2017, esse plano seja colocado em prática, necessitando urgentemente de uma preparação docente para essas mudanças.

O Ideb 2015

Apesar das críticas em relação às alterações na Educação Brasileira, é preciso saber que essa flexibilização vem como uma possível solução e reforma educacional após os baixos índices de desempenho registrados no Índice de Desenvolvimento da Educação, o Ideb 2015. Conforme esse, o ensino médio está em uma das piores situações na comparação às séries iniciais e também as finais da educação fundamental. Isso porque a meta do ano passado era de 4,3, porém, o índice ficou em 3,7.

Além disso, outro dado interessante se refere à taxa de reprovação e de abandono dos matriculados no ensino fundamental e médio. No ensino fundamental, a taxa de reprovação é de 8,2%, sendo que no ensino médio essa é de 11,5%. Já em relação ao abandono, no ensino fundamental somente 1,9% dos alunos desistem, número muito inferior aos 6,8% registrados pelo Ministério da Educação (MEC) no nível médio.

Kellen Kunz


Exame será aplicado em 1,7 mil municípios brasileiros e terá mais de 8,5 milhões de candidatos.

Na última terça-feira, 30 de agosto, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), lançou um balanço dos números do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2016. Ao todo, a prova será aplicada em 1,7 mil municípios espalhados por todo o Brasil. Mais de 8,5 milhões de pessoas farão as provas, que serão realizadas nos dias 5 e 6 de novembro.

De acordo com o balanço, mais de 600 mil pessoas estarão encarregadas de cuidar de tudo para que a prova seja aplicada. Até a Força Nacional entra na operação. É que desde 2009, quando algumas provas foram roubadas e tiveram seu conteúdo vazado, fazendo com que o Governo Federal tivesse que adiar a aplicação da mesma, a Força Nacional colabora com a realização do Exame. A FN irá acompanhar a impressão e o armazenamento das provas para se certificar de que não haverá nenhum vazamento.

No primeiro dia, os candidatos terão quatro horas e trinta minutos para fazer as provas de ciências da natureza e de ciências humanas. No segundo dia, será a vez da realização das provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, redação e matemática. Desta vez, o candidato terá um tempo de prova de cinco horas e trinta minutos.

Em ambos os dias, os portões dos locais de prova serão abertos às 12h (horário de Brasília). O fechamento está previsto para às 13h (horário de Brasília), sempre lembrando que em novembro o Brasil estará no horário de verão. Todo cuidado é pouco para os candidatos, já que após o fechamento dos portões nenhum candidato pode mais adentrar aos locais de prova. O horário de início das provas será às 13h30. O Inep divulgará o gabarito oficial das questões até o dia 9 de novembro, porém, ainda não há data para o resultado oficial das notas do Exame.

Veja abaixo alguns dos números no balanço divulgado pelo Inep e que marcarão o ENEM 2016:

  • 8.627.194 candidatos inscritos;
  • 1.727 municípios;
  • 17 mil locais de prova;
  • 16 milhões de provas;
  • 77 mil malotes de provas;
  • 476.040 mil coordenadores e fiscais de locais de prova;
  • 40.000 agentes das polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil, Militar e do Corpo de Bombeiros;

Renato Senna Maia


Instituição divulga lista dos 1.386 candidatos aprovados em seu Vestibular 2016.

A UECE (Universidade Estadual do Ceará) publicou na terça-feira, dia 19 de janeiro, o resultado final do seu Vestibular 1/2016, que ocorreu em duas fases, sendo a primeiro dia 15 de dezembro e a segunda nos dias 06 e 07 do mesmo mês de 2015, para preencher 1.386 vagas. Juntamente foi divulgado o resultado definitivo da prova de redação, após recursos recebidos. Confira no link da instituição: http://www.uece.br.

Os indivíduos que foram selecionados deverão realizar suas matrículas entre os dias 1º e 2 de março, no Auditório Central do Campus Itaperi, entre às 9 e às 17 horas, para os candidatos que se inscreveram para os cursos oferecidos na cidade de Fortaleza. Já para os candidatos selecionados para cursos ofertados no interior do Estado, a matrícula acontecerá na mesma data, porém, nas sedes das Unidades de Ensino do interior. 

No momento da matrícula o futuro aluno deverá levar uma foto 3×4 recente, juntamente com três formulários, a serem preenchidos previamente (acesse o documento neste link). Serão necessários também os originais e cópias dos seguintes documentos: Certificado de Conclusão do Ensino Médio, Carteira de Identidade (RG), Certidão de Nascimento ou então de Casamento, Título de Eleitor, Histórico Escolar do Ensino Médio, Comprovante de Endereço, Documento de Quitação com o Serviço Militar (Somente para Homens) e CPF.

Em caso de terem vagas remanescentes, a oferta das chances disponíveis serão divulgadas a partir do dia 03 de março, por meio do site da Universidade. Os candidatos aprovados (para vagas remanescentes) deverão realizar o acesso até o dia 4 e manifestar seu interesse na vaga.

O resultado da classificação e convocação será publicado no dia 7 de março. Os classificados deverão efetuar a matrícula entre os dias 8 e 9 subsequente. Será realizada, no dia 10 do mês de março, uma nova chamada, baseada na lista dos candidatos interessados.

Nádia Neves


Medicina e Psicologia são os cursos mais concorridos. Já Música, Ciências Exatas e Ciência dos Alimentos são os cursos menos concorridos.

Foi divulgado nesta ultima terça-feira, dia 10 de novembro de 2016, a relação de candidatos por vaga para o vestibular da Fuvest. Esta edição contará com um total de 142.721 candidatos, que buscam ser aprovados em um dos vestibulares mais concorridos do país, a seleção da USP, Universidade de São Paulo.

De acordo com o levantamento realizado pela fundação, o curso que será o mais concorrido do ano de 2016 é Medicina no campus da cidade de Riberão Preto, onde terá uma concorrência de 71,93 candidatos para cada 90 vagas disponíveis. E em segundo lugar está o curso de Psicologia no campus de São Paulo com 59,80 candidatos para cada vaga. Já em terceiro, com 58,75 candidatos por vaga, está o curso de Medicina no campus da cidade de São Paulo.

Ao contrário, o curso menos concorrido na USP, de acordo com a Fuvest, é o de Música no campus também da cidade de Riberão Preto, onde tem 1,70 candidato para cada vaga. Apesar de ter uma concorrência baixa, ocorre a exigência de uma prova prática de habilidade na área, para o candidato ser aprovado. Logo atrás vem o curso de licenciatura em Ciências Exatas na cidade de São Carlos, onde conta com 2,49 candidatos por vaga. Por fim, o curso de Ciência dos Alimentos localizado no campus de Piracicaba tem a terceira menos concorrência, com 3,08 candidatos para cada vaga.

É possível consultar essa lista completa de concorrência para o vestibular da USP 2016 clicando neste link.

A primeira fase do vestibular da Fuvest ocorrerá no dia 29 de novembro, às 13 horas. A avaliação contará com 90 questões abordando conteúdos sobre português, matemática, geografia, história, física, biologia, inglês e química, com uma duração máxima de cinco horas. Após isso, a segunda fase (que é composta por 3 provas discursivas) aborda questões específicas para a área de conhecimento da carreira a ser seguida pelo futuro aluno. Nesta fase, a prova terá duração de 4 horas e acontecerá nos dias 10, 11 e 12 de janeiro.

FILIPE RIBEIRO DA SILVA





CONTINUE NAVEGANDO: